“provocadores em funções de defesa pública”?

depois da torrente de evidências de que estamos, de facto, a um passo da lei marcial, aqui no 5dias e aqui no portugal uncut, de uma crónica onde Manuel António Pina alude à possibilidade de, no dia 24 de Novembro, a psp ter “feito o mal e a caramunha”, e de apelos vindos de todos aqueles que não conseguem pactuar com a hipocrisia que só serve para legitimar o injustificável, o director nacional da psp admitiu que “polícias à civil se integraram como manifestantes e provocadores em funções de defesa pública na própria manifestação”. o miguel macedo, na quarta-feira, na tvi, fez o que este governo sabe fazer melhor: engonhar, falar sem dizer nada.

fica uma pergunta: onde terão recebido os agentes provocadores infiltrados a formação para o exercício das funções de insultadores? palavra de honra que gostava de conhecer o tipo que lhes terá dito “vais lá para a frente, abanas o gradeamento e chamas fascistas aos colegas, que está feito”. é que se querem uma coisa como deve ser, não lhes tinha custado nada irem a uma manifestação de um primeiro de maio, e aprendiam como é que se fazem as coisas. para alguém acreditar que é verosímil fazer aquelas figuras tristes, de calções e óculos de sol, ou anda a ver demasiados filmes ou sofre de severos problemas mentais. creio os dirigentes policiais por detrás deste esquema e o MAI se revêem em ambas as patologias.

é triste. se eles rompem as regras de convivência democrática, a título de “provocadores”, o que estão à espera que agora se siga?

P.S.: valha-nos nosso senhor jesus cristo.

Anúncios