vídeos caseiros.

 

[Partita a Scacchi, Sofonisba Anguissola, 1555]

Nas últimas semanas, tentar ver um noticiário assemelha-se cada vez mais a ser submetido a uma experiência barata de propaganda do regime. Não tenho memória de assistir a um unanimismo tão bem orquestrado entre comentadores, pivôts, editores e entrevistados. Numa medíocre intervenção na assembleia da república, esta tarde, um deputado dava o mote e legitimava a pilhagem ao direito à informação livre e plural, ao enfiar, numa mesma enumeração condenatória, o “populismo, demagogia e ideologia” da oposição. A partir daqui, não é preciso dizer mais nada. Está oficializado o crime de delito de opinião – e, já agora, de pensamento.

Mas custa-me ver pessoas como o Mário Crespo (que tinha, apesar de tudo, como uma referência em jornalismo) fazer o degradante papel de metteur en scène da defesa avançada deste governo.

Talvez sejam efeitos da mudança de paradigma.

Anúncios